The Twelve-factor App na plataforma Microsoft – Code Base

Fala galera!

Conforme falei no primeiro artigo da série vou falar como implementamos The Twelve-factor App na plataforma Microsoft.

Se não se lembra apresentamos os fatores neste vídeo e neste vídeo então assiste lá para não ficar perdido.

A importancia de se ter um repositório de código

Acho que exploramos bem o tema nos vídeos mas em resumo ter uma baseline é indispensável para que possamos ter todo rastreamento de alterações em nosso produto de forma a saber por que, quando, como e por quem algo foi feito.

Isto não é caça bruxas mas entender o porque de algo ter sido feito é importante para a melhoria contínua do processo.

Além disto uma base de código confiável permite que o produto volte rapidamente a um determinado momento no tempo o que é indispensável para se recuperar de catástrofes bem como fazer depurações mais precisas já que a versão do código acaba sendo identica a que estava em produção no momento da. falha.

Por último mas não menos importante dependendo do segmento de negócio regulamentações e processos de auditoria impedem que o software seja desenvolvido sem estas características.

Dentro da plataforma Microsoft

Originados do extinto Microsoft Source Safe a Microsoft oferece toda uma completa solução de ALM (Ciclo de Vida de Aplicação) em dois sabores:

  • VSTS ou Visual Studio Team Services uma solução em núvem oferecida como SAAS (Software como Serviço);

  • TFS ou Team Foundation Services uma solução para instalação on premise;
    Como é de se esperar o modelo em nuvem recebe atualizações cnstantes mais rapidamente, mas ambos oferecem praticamente os mesmos recursos quando em versões parelhas.

  • Gestão total de código-fonte das aplicações;
    Gestão de projetos de desenvolvimento de software utilizando-se de SCRUM, Agile ou CMMI com total possibilidade de personalização do processo;
    Processos automatizados de build e deploy;
    Gestão total de testes;
    E muito mais …;

E quando falamos de gestão de códigos fontes também temos a disposição duas opções:

  • TFVC solução proprietária desenvolvida pela Microsoft e que se baseia no modelo centralizado;
  • git: sistema de controle de versão desenvolvido por Linus Torvalds criador do sistema operacional Linux e amplamente utilizado pelo mundo open source;

Ambas as opções oferecem vantagens e desvantagens e não é objetivo deste artigo discutí-las mas deixo a seguir boas referencias de como trabalhar com cada um deles:

Já em relação a separação dos projetos, módulos ou componentes seja lá como a tecnologia adotada e/ou sua empresa nomeie a componentização da aplicação a plataforma da Microsoft oferece um grande nível de personalização sendo o mais comum a utilização de Team Collections e Team Projects. Mais informações podem ser obtidas neste guia.

Conclusão

A plataforma Microsoft está totalmente preparada para atender ao primeiro fator sem o menor esforço e com amplas possibilidades de personalização dos fluxos de trabalho e alta conectividade com as mais diversas ferramentas de desenvolvimento não se limitando apenas aquelas desenvolvidas pela empresa.

Existe conteúdo abundante na internet sobre como utilizar da melhor maneira estas ferramentas por isto deixarei aqui mais algumas referencias:

Até a próxima!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s